segunda-feira, 27 de julho de 2009

Desde novembro do ano passado tenho terminado meus textos com um "bom dia, mas bom dia mesmo". Esta frase se espalhou na blogosfera de um jeito tal que hoje eu vejo em todos os posts e blogs o que me deixa muito feliz. Hoje eu vou repetir o texto para explicar a origem da frase.

Lá em casa, a gente ouvia a Rádio Globo AM, diariamente. Era nossa diversão bem antes da tv. Crescemos ouvindo Haroldo de Andrade, Paulo Giovanni (que foi meu patrão no ano passado) e também Waldir Vieira.
A gente acordava bem cedo e antes do café da manhã, fazíamos o culto doméstico, onde orávamos e sempre éramos obrigados a decorar algum salmo. Depois disso, o café. A paixão pelo cafezinho que tenho hoje não veio daquela época. A gente tomava café feito de cevada. Gostava muito, mas confesso que depois de grande, nunca mais tomei um gole daquele café de cevada.
O programa do Haroldo de Andrade era a próxima coisa que fazíamos diáriamente. Às 09h começava o programa na rádio.
E quando minha mãe ia pra cozinha lavar os copos e já preparar o almoço, no meio daquelas panelas havia um radinho que ouvíamos bem alto.
Antes do Haroldo tinha o Omar Cardoso, um astrólogo muito famoso naquela época. Lógico que dada a nossa formação religiosa a gente nunca ouvia o programa dele. Mas quando minha mãe ligava o rádio ainda dava pra ouvir o finalzinho do Omar Cardoso. Talvez este finalzinho a gente ouvia de propósito. Assim, às nove em ponto, antes do Haroldo começar, o Omar Cardoso terminava o programa e dizia todos os dias a mesma frase: "Hoje, sob todos os aspectos vou cada vez melhor. Bom dia, mas bom dia mesmo!"

 
Ainda hoje tenho guardado na memória esta ultima parte da frase: "... bom dia, mas bom dia mesmo!"
O dia passava tranquilamente na cozinha da minha mãe. O rádio ligado e a frase a martelar: Bom dia, mas bom dia mesmo!
Desde que postei este texto mudaram muitas coisas. Meu filho se mandou pra casa dele e quem prepara o café agora sou eu mesmo. Não é mais aquele café de criança. Aprendi a gostar do velho e bom cafezinho original. Mas hoje especialmente me lembro do café lá de casa, da velha cozinha, da fumaça e do cuscus de fubá feito no pano de prato e cozido no vapor da panela e da manteiga que se derretia toda.
Direto da minha cozinha quero desejar a você, um bom dia, mas bom dia mesmo!

9 comentários. Clique e deixe o seu!!:

007BONDeblog disse...

Amigão

Bom dia.

Estou retribuindo a visita, e encontrando esse texto que também me fez lembrar o tempo de criança/adolecente. Ouvindo o Haroldo de Andrade, respondendo as cartas dos leitores (Sejam as minhas primeiras palavras de hoje para você que me escreveu).

Com muita alegria estou me colocando como seguidor de seu blog e convidando para que faça o mesmo em relação ao BONDeblog.

Pelo que vi o amigão tem três blogs, indique um deles para que eu coloqueo link lá no BONDeindica.

Um abração, e um BOM DIA, MAS, BOM DIA MESMO.

disse...

Essa é uma das frases que mais marcaram minha vida.
Quando a li aqui sabia que tinha ouvido em algum lugar. Mas hoje, só hoje com seu texto foi que me lembrei e me fez voltar ao passado. Minha avó ouvia sempre esse programa de rádio. Assim como você e sua família, a vovó também nos fazia orar antes do café da manhã.
Linda e maravilhosa recordação obrigada meu lindo.
E sabe é por textos assim que tem um selo premio pra ti lá em casa. É de coração e com carinho.
Beijos e beijos!
Boa e linda semana mesmo.

Albertinho disse...

Bom dia mesmo, Amigão.
Ficou a vontade de tomar este café.

Luana! disse...

Boa tarde, Amigão!
Mas boa tarde mesmo!

Xêêêêrooo

Lorena disse...

Amigão, eu adoro as suas histórias de infância... Aliás, adoro ler as histórias que você conta, adoro a forma como você nos envolve nelas. Nessa, em especial, eu sinto até o cheiro do café e o gostinho do cuzcuz! =)

Adoro você, Amigão.
beijo

Éverton Vidal disse...

Vixe. Eu uso demais Amigao hahaha.
E esse final do seu texto me deixou com água na boca e saudade de casa. É a vida.

Abraçao!

Éverton Vidal disse...

E eu sempre quero dizer e esquecer. Vocè é um amigo especial, de coraçao.
Te amo mesmo mano.
Inté!

Camila disse...

Sim, essa frase se espalhou mesmo e as variações dela também. Me dei até a liberdade de usuar uma delas como título de um de meus posts, espero não ter sido muita ousadia. Mas você realmente é único em toda a blogosfera, você tem uma capacidade linda de amigo, independente do seu apelido. Você nos faz sentir parte e nos sentir bem. E isso não é pra qualquer um.

E eu também fiquei com vontade do cafezinho, viu? E aqui em casa ninguém faz bem. Assim não vale, viu?

Beijo grande, querido!

NANA disse...

Outro dia falei desse cuscuz de fubá com a DU, mas ela não conhece. ALiás, no seu encontro com a Du, deu pra perceber o quanto diferente é a culinária gaúcha?

Desse jeitinho aí, feito no pano de prato e no vapor da panela, só minha vó fazia e era muito mais gostoso do que o feito na 'cuscuzeira' que minha mãe usa. Vou te dar mais uma dica, caso ainda coma o cuscuz, junto com a manteiga, coloque um pouco de queijo ralado, ou cheiro-verde. Fica ainda melhor. Huummm... Ai, eu ainda não jantei!

Serve um Boa Noite. Mas Boa Noite mesmo?!!!

Beijão

Assinar Feed dos Comentários

Postar um comentário

Deixe o Amigão feliz, comente isto!



 
^

Powered by Bloggerblogger addicted por UsuárioCompulsivo
original Washed Denim por Darren Delaye
Creative Commons License

____