terça-feira, 30 de junho de 2009

Um dia eu participo decentemente de uma blogagem coletiva. Acabei de perder mais uma. Desta vez a iniciativa foi do blog CD-Lado B, que eu vi na e na Du.




Estava pensando no que ia escrever quando me vem a mente as figuras de Melissa Cadori e Chico Buarque. Caramba acho que forcei a barra. Que relação pode haver em um personagem fictício e o maior compositor e intérprete da nossa música e ainda por cima o que isto tem a ver com o tema da blogagem, combate às drogas?

Eu acho que nenhuma mas estou escrevendo e as palavras vão jorrando aqui no meu teclado. A Melissa é personagem de novela, “Caminhos das Índias”, tem um filho doente.Perigoso. Mas ela finge que não está acontecendo nada. Em meio às crises ela sempre aparece malhando, ou usando algum creminho e aparentemente não se preocupa com o problema do filho e sim, com o que os amigos irão pensar do filho e os dias vão passando e o problema aumentando.
Não o rapaz da novela não é drogado.O problema é outro. A comparação que faço da história do moço com o tema da blogagem é que o problema das drogas, assim como outros milhares de problemas, começa dentro de casa.


Vi esta imagem no blog da Du
Estamos reunidos na casa de um amigo e ele me mostra um DVD da Beth Carvalho em que ela canta " Meu Guri"de Chico Buarque. Ela leva "Meu Guri" numa interpretação magistral, louca, comovente, pra se ouvir de joelhos.

“Quando seu moço,
Nasceu meu rebento,
Não era o momento dele rebentar...”

Meu guri é um exemplo de como famílias estão educando e criando seus filhos. Meu guri é como Melissa trata o filho doente. Meu guri é a vitima do despreparo dos pais. É a desculpa, o estorvo, a praga. Meu guri é drogado?O Governo deveria legalizar a droga e assim proteger muitos guris?
Não sei.
O que o governo vai fazer ou não, não me importa. Interessa mais saber como vou fazer aqui dentro de casa.
As grandes viradas começam dentro de casa. De dentro pra fora.
Quer mudar o mundo? Mude você primeiro.
O governo não pode ser responsável pelo que acontece aqui dentro de casa.
O meu guri apareceu assim do nada e eu lhe disse, “se vai fumar, vai fumar aqui dentro de casa e eu vou fumar com você”.
Mas é preciso mais que isso. É preciso uma dose exagerada de preocupações e conselhos e acima de tudo overdose de amor e carinho.Rezar muito também ajuda.
Se for pra legalizar a maconha ou qualquer tipo de droga, vamos legalizar primeiro aqui dentro de casa.Enigmático? Sim. O post vai ficar assim mesmo.Que é pra você ler nas entrelinhas como foi aqui em casa. Espere um pouco que a Beth está terminando de cantar e neste momento sinto umas lágrimas descerem no meu rosto. Estou pensando em como foi que tudo aconteceu e como poderia ter sido se eu não tivesse feito tanta coisa que fiz. E enquanto vou escrevendo este post mentalmente, a Carol grita ao meu lado:
- Caramba, agora que entendi a letra desta música.
E eu dou um berro, assim do nada:
- Caralho, eu casei o meu guri!


O Meu Guri
Chico Buarque
Composição: Chico Buarque

Quando, seu moço
Nasceu meu rebento
Não era o momento
Dele rebentar
Já foi nascendo
Com cara de fome
E eu não tinha nem nome
Prá lhe dar
Como fui levando
Não sei lhe explicar
Fui assim levando
Ele a me levar
E na sua meninice
Ele um dia me disse
Que chegava lá
Olha aí! Olha aí!

Olha aí!
Ai o meu guri, olha aí!
Olha aí!
É o meu guri e ele chega!

Chega suado
E veloz do batente
Traz sempre um presente
Prá me encabular
Tanta corrente de ouro
Seu moço!
Que haja pescoço
Prá enfiar
Me trouxe uma bolsa
Já com tudo dentro
Chave, caderneta
Terço e patuá
Um lenço e uma penca
De documentos
Prá finalmente
Eu me identificar
Olha aí!

Olha aí!
Ai o meu guri, olha aí!
Olha aí!
É o meu guri e ele chega!

Chega no morro
Com carregamento
Pulseira, cimento
Relógio, pneu, gravador
Rezo até ele chegar
Cá no alto
Essa onda de assaltos
Tá um horror
Eu consolo ele
Ele me consola
Boto ele no colo
Prá ele me ninar
De repente acordo
Olho pro lado
E o danado já foi trabalhar
Olha aí!

Olha aí!
Ai o meu guri, olha aí!
Olha aí!
É o meu guri e ele chega!

Chega estampado
Manchete, retrato
Com venda nos olhos
Legenda e as iniciais
Eu não entendo essa gente
Seu moço!
Fazendo alvoroço demais
O guri no mato
Acho que tá rindo
Acho que tá lindo
De papo pro ar
Desde o começo eu não disse
Seu moço!
Ele disse que chegava lá
Olha aí! Olha aí!

Olha aí!
Ai o meu guri, olha aí
Olha aí!
E o meu guri!...(3x)

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Se já é sem graça disputar um título com os Estados Unidos, imagine o que seria perder este título para eles. E eles podem ser bons em tudo, podem ser o melhores em tudo. Eles podem. Mas no futebol não. Sai fora, mano. Pois como diz o futuro técnico do Palmeiras : Aqui é trabalho meu irmão!
Terminada copa das confederações, Joel Santana já pode voltar tranquilamente para o Flamengo. O técnico Muricy Ramalho tem a chance de ser cinco vezes seguida, o campeão do Brasileirão. É só usar a inteligência e assinar com o Palmeiras.
Quanto aquele outro senhor, aquele cidadão, sabe? Pode voltar tranquilamente para o litoral santista e planejar o Paulistinha de 2010.




Vi esta imagem no Blue Bus

Beijão do amigão e bom dia, mas bom dia mesmo!



Ela fêz aniversário no dia 26 de junho eu queria escrever algo bem legal naquele mesmo dia, mas devido alguns tropecinhos só hoje posso falar desta garota muito especial para todos nós aqui da turma.
Hoje é dia de tomar aquele café especial com a Lorena, do blog Strange Little Girl.





ATIVIDADE PROFISSIONAL: Estudante e estagiária.
OUTRAS ATIVIDADES: Internet, leitura, escrita e cinefilia.
ESTRANHISSE: Conversar comigo mesma, o tempo todo. Na maioria das vezes, em outras línguas. Ah, eu também converso com bichos como se fossem gente...
PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES: Me formar e conseguir sobreviver depois da formatura.

QUALIDADES PARADOXAIS: Eu escrevo muito, mas falo pouco. Em compensação, ouço muito bem.

PONTOS VULNERÁVEIS: Nossa. Alguns muitos, não sou muito forte. Sofrimento, meu e de quem eu amo, injustiças, crueldade, alguns pontos muito pessoais... Tudo que eu gostaira de mudar, mas não posso.

ÓDIOS INCONFESSOS: De politicagem... Mas nem é inconfesso.

PANACÉIAS CASEIRAS: Chá de hortelã com mel. Tiro e queda para gripe, resfriado, dor de garganta, dor no corpo, hipoglicemia, mau-hálito... E para dores interiores, oração. Pra mim nunca existiu remédio melhor, porque Ele não abandona nunca.

SUPERSTIÇÕES INVENCÍVEIS: Tentar adivinhar o signo dos outros. É incrível, a proporção de acertos é bastante grande, não consigo parar!

TENTAÇÕES IRRESISTÍVEIS: Coisas feitas de chocolate, DVDs em promoção, livros do sebo, locadoras... Não resisto MESMO!

MEDOS ABSURDOS: Eu tenho medo de fantasmas e de trovão. Ninguém tem medo disso, é um absurdo que da minha idade eu ainda tenha. Mas é verdade, só de pensar me dá calafrios.

ORGULHO SECRETO: Eu sou orgulhosa e isso era um segredo! =P
Post publicado pela Lolli, em junho de 2008.
Lorena, felicidades pra você e um bom dia, mas bom dia mesmo.

sexta-feira, 26 de junho de 2009


E lá fui eu pro fogão preparar a refeição de sábado. Eu sei que esta história é velha mas presta atenção que a receita é muito boa. Ah, sempre tem alguém que nunca viu a receita...



Receita de Frango com Whisky

Ingredientes:
- 1 garrafa de whisky - do bom, é claro;
- 1 frango de aproximadamente 02 quilos;
- sal, pimenta e cheiro verde a gosto;
- 350 ml de azeite de oliva extra virgem;
- nozes moídas.


Modo de preparar:
- pegue o frango;
- beba uma dose de whisky;
- envolver o frango e temperá-lo com sal, pimenta, nozes e cheiro verde a gosto;
- massageie-o com o azeite;
- pré-aqueça o forno por aproximadamente 10 minutos;
- sirva-se de uma dose caprichada de whisky enquanto aguarda;
- coloque o frango em uma assadeira grande;
- sirva-se de mais duas doses de whisky;
- axuste o terbostato na marca 3, e debois de uns binte binutos,botar para assassinar, digu, assar a ave;
- derrube uma bose tupla de whisky;
- bedois de beia hora, forme a baertura e controlar a sssadura do frango;
- tente zentar na gadeira, servir-se de uoooooootra dose sarada de whisky.
- coza(?), costure(?), cozinhe, sei lá, dane-se o vrango.
- deixxxxeeee o vilho da buta do pato no vorno por umas 4 horas.
- tente retirar o pato do vorno;
- mande mais uma boa dose de whisky pra dentro .. de você, é claro.
- tente novamente tirar o sacana do vrango do vorno, porque na trimeira teenndadiiiva dããão deeeeuuuuuu.
- begue o vrango que gaiu no jão e enxugue o pilho da futa com o bano de jão e cologá-lo numa pandeja ou qualquer outra borra, bois, avinal, você nem gosssssssssta muito dessa bossssta mesmo,
- tá bronto, sorra...
PS: Num vumita no vrango, garaio!!!

Maria Elite é a diarista do amigão e escreve todas as sextas-feiras aqui neste espaço.Não é muito de beber, mas quando bebe faz este tipo de post. Todas as noticias são verdadeiras, a única falsa aqui é ela mesmo

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Me diz qual a graça de ser campeão de qualquer torneio de futebol em cima dos Estados Unidos? Eu queria a Itália ou a Espanha nesta final. Brasil X Estados Unidos não tem graça nenhuma. Por isso hoje eu vou torcer para o time do Joel Santana.




Ele é engraçado, fala cuspindo mais do que eu, tem a lingua presa mais que a minha e é um bom técnico.E agora resolveu se expressar em um dos idiomas falados por seus jogadores. Poderia usar interprete como sempre usou, mas resolveu ousar e agora enfrenta uma coletiva com repórteres do mundo inteiro falando em inglês. Corajoso. E os brasileiros, bem, por aqui o povo tá rindo, tirando sarro, debochando, como se falar bem o inglês fosse obrigação nacional, como se todos por aqui falassem ou escrevessem muito bem o inglês. Claro que ele não gostou e pediu mais respeito. Joel Natalino Santana 61 anos de idade resolveu aprender inglês.
Tá certo seu Joel.
Minha torcida hoje é para a África do Sul, mas só hoje e domingo, ok?

quarta-feira, 24 de junho de 2009


O blog Fio de Ariadne propôs para domingo passado, uma blogagem coletiva sobre a importância da música na nossa trajetória. Gostaria muito de ter participado e ter lido os posts dos amigos que participaram.Faltou-me tempo. Assim não sei bem do que falaram, mas aproveito o tempinho livre hoje para falar um pouco da minha carreira musical...ops!
Minha mãe cantava no coro da igreja e tinha uma voz muito bonita de soprano.Sem saber direito o que estava fazendo ela conseguia tirar aqueles agudos que só as cantoras de óperas conseguiam.
Quando chegava dos ensaios do coral ela nos repassava os hinos que havia ensaiado e nos ensinava a cantar exatamente como no coral. E a gente sonhava ter idade para também cantar no coral.

Uma das minhas irmãs tinha o melhor soprano que eu já ouvi, mas em compensação minha outra irmã tinha a melhor voz de contralto que eu também já ouvi. Tenho um irmão que canta tenor melhor do que muita gente por aí e eu, bem, eu arranhava no meu baixo indefinido, que às vezes era contra-baixo em outras barítono, não sei direito, mas sei que lá em casa a gente fazia um tremendo coral.

Sem entender nada de musica, às vezes consigo cantar o baixo direitinho só de ouvir o soprano.E minhas irmãs? Incrível como elas conseguem fazer aqueles arranjos vocais em qualquer música que se esteja cantando, sem também não entenderem nada de música.

E era assim, com este clima que a gente tirava do fundo da garganta o melhor de "Maravilhosa graça!Maior que o meu pecar. Como poder cantá-la? Como hei de começar? Pois alivia a minha alma, e vivo em toda a calma ...". Isto com arranjos e divididos em vozes e com mamãe nos regendo.Ah, quer saber? A gente também cantava Aleluia de Haendel.Que arrepiava os vizinhos...
E quando a gente cismava de imitar uma orquestra? Aquilo é inexplicável:
Soprano: Ressoam os violinos com cânticos divinos...
Contralto:
A clarineta, a clarinete, faz ta ta ta ta ta
Tenor:
A trombeta prateada faz ta, ta, tá, ta
Baixo: Os tímpanos fazem sempre dois tons..
Estas eram as letras de cada voz e todo mundo cantando isto ao mesmo tempo, surgia um som de música orquestrada, ou uma banda. Incrível, não dá pra explicar como saia tão perfeito.

Mas a gente nunca cantou junto em público.O mundo perdeu o “Sousa Brother's”. Alguns dos meus irmãos (somos oito) cantam solos na igreja. Não somos assim como os membros da família Vicente, mas eu garanto, meus irmãos eram bons mesmos e ainda são.
A gente tentou repetir este coral no natal, mas as vozes já estragadas pelos vícios não soaram tão boas como antigamente.
Hoje eu canto no chuveiro e esta é uma das maiores terapias.Cantar no chuveiro logo pela manhã já é prenúncio de um bom dia. Comece cantando no chuveiro que você vai cantar o dia inteiro e não há nada, mas nada mesmo que tire o seu bom humor.
A música tem o poder de despertar e espantar todas as coisas e energias negativas. Traz paz, traz calma.
É bom ouvir música pela manhã. Mas cantar é bem melhor.
Mamãe sempre ensinava que a gente deveria ter uma canção, qualquer que fosse para cantar de manhã, outra para cantar quando estivesse cansado, uma para quando a noite chegasse e acima de tudo, nunca, mas nunca deveríamos deixar de cantar.

Mas este é um assunto tão longo e tão rico que pode se multiplicar em centenas de outros posts.Por hoje eu diria: Nunca deixes a canção de ti fugir.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Está acontecendo nesta semana O Festival Internacional de Publicidade de Cannes. Vocês não imaginam a loucura que é um monte de publicitários do mundo inteiro reunidos em um único lugar. Pra dizer a verdade eu também não imagino porque nunca estive por lá...


Desde domingo passado, publicitários do mundo inteiro estão enfurnados em auditórios durante uma semana inteira para assistir a milhares de comerciais e passar os olhos por centenas de anúncios de jornal e revista para descobrir, aplaudir e invejar os melhores. E execrar, achincalhar e humilhar os piores.

Aos vencedores, leões de ouro, prata e bronze.O Festival Internacional de Publicidade de Cannes foi criado pela SAWA (Screen Advertising Worlds Agencies) e é realizado na cidade de Cannes, na Riviera Francesa. Foi realizado pela primeira vez em 1953, e se tornou o mais importante prêmio da publicidade mundial.

Para se ter uma idéia disso, saiba que a coisa mais importante na vida de um publicitário criativo é gahar um leão de ouro em Cannes. A segunda coisa mais importante é ganhar um leão de prata.
Até o momento enquanto preparo este post, o Brasil ganhou 20 leões no festival. A DM9 pretende ser a brasileira mais premiada este ano. Já ganhou dois dos cinco prêmios do país no Outdoor Lions, ambos Leões de Prata, para Terra Viagens e Fedex. O outro Leão de Prata do país é da JWT para Procter & Gamble. O Brasil ainda teve dois Leões de Bronze, com Almap BBDO para Bayer, e Matos Grey para Sensodyne. A Leo Burnett de Lisboa, já levou sozinha 9 leões.

O Grand Prix de Outdoor foi para a TBWA Hunt Lascaris, da África do Sul, pela campanha criada para o Jornal Thezimbabwean. A campanha usa notas reais de dinheiro coladas em um muro para mostrar a desvalorização da moeda daquele país.


Fonte: Blog do Adonis

Repercussão:


Veja o que os leões mais famosos acham deste festival


"Um monte de publicitário dando prêmio para si mesmo? Acho que já vi este filme"
Leão da Metro - ator aposentado.

"Não gosto de dar declarações"

Leão do Imposto de Renda, funcionário público

"Acho que a propaganda mundial não está com essa bola toda, não"
Emerson Leão, técnico de futebol

"Não entendo porque tanta sede para ganhar um prêmio"
Matte Leão, refresco brasileiro

"O que um personagem de desenho animado da Disney como eu vai entender de propaganda?"
Rei Leão, desenho desanimado


"Para mim, tudo isso não passa de um circo"
Orlando Orfei, domador de leões


"É um evento dos mais significativos para quem gosta de ver televisão. O Festival de Cannes premia tudo aquilo que aparece na TV na hora que a gente se levanta para ir ao banheiro"
Leão Lobo, apresentador de TV


"Sei não, doutor, pra mim esse negócio de propaganda é coisa de viado"
Ivanildo Pereira, o Nildão, leão-de-chácara de boate gay.


Nota do amigão: parte deste post foi baseado em artigo do livro "Só porque criou o mundo pensa que é Deus". E este post já foi publicado la no Notícias Irrelevantes, no ano passado nessa mesma época, quando eu escrevia por lá.

segunda-feira, 22 de junho de 2009


Parece que todo mundo que frequenta esta turma resolveu fazer aniversário no mesmo mês. Haja café pra tanta gente, né não?
O cafezinho de hoje está uma delícia.No ponto certo. Hoje é o dia de tomar um cafezinho com dois amigos especiais. A Nana e o Leandro.
Sinto muito orgulho de ter o Leandro e a Nana aqui na turma, mesmo estando os dois na maioria das vezes ausentes, a gente nunca esquece deles.
Da Nana, que tenho orgulho de ter conhecido pessoalmente e que é uma das melhores e mais queridas amigas.E hoje eu dou o troco: Tá ficando velhinha também viu? 29 aninhos....só? kkkkk


E do Leandro, que é um dos textos mais brilhantes e talentosos desta blogosfera.O grande poeta.


E hoje quero me unir a toda esta gente que vai ligar, mandar recado e beijos e abraços, para daqui rezar um humilde prece pedindo que Deus lhes conceda uma nova vida, um novo começo em um novo caminho a partir de hoje. Felicidades.


Bom dia, mas bom dia mesmo!

sábado, 20 de junho de 2009

Sofá do Amigão

Cheguei na Re:sources no dia 01 de junho e um dos maiores reencontros foi com um grande amigo, o meu amigão Josivaldo e para saudá-lo republico hoje um texto que postei em outubro de 2007. Lembrando o "Varanda Colonial" da PublicisNorton.



Imagine um boteco dentro do seu trabalho que entre um job e outro ou enquanto você espera um email urgente, você corre toma um gole de cerveja volta pra mesa e continua a trabalhar. Era isso mesmo. O bar ficava no sexto andar entre a midia e a criação.
Abria pontualmente as 18h00. Ás 18h01 os ramais de todos os cervejeiros da agência tocavam "vamos meu, já abriu, vem logo". E em cinco minutos o Varanda, o nome do bar, estava lotado.
Época boa aquela. Não só pela cervejinha gelada, não só pela simpatia do Josivaldo, que além de amigo, conselheiro, psicólogo, também emprestava um dinheirinho quando a gente precisava e acima de tudo era o nosso garçom. Era ele também que preparava uma porção de queijo ou salame, com óregano e azeite, que nunca se comeu por aí.

Sempre que preciso relaxar, a primeira imagem que me vem à mente é o Varanda lotado. Ali a gente bebia melhor do que muita gente grande. Era ali que se reuniam na mesma mesa, diretores, VPs , boys, assistentes e gerentes. O único lugar da agência que ninguém era melhor do que ninguém.
Ali, o Dagoberto Villafranca, citava Paulo Mendes Campos "Bebo para empatar com o mundo", enquanto na outra mesa o vice presidente de criação contava a última piada da Playboy que só ele tinha lido.

Sabe, todos nós precisamos de embriaguez. Alguns a conseguem rezando, jogando futebol, fazendo sexo, pintando, escrevendo. Tudo é a mesma coisa: Necessidade de sair da realidade, de dar um pause.

Por isso o "Varanda" era tão mágico. Em questões de minutos, a gente era transportado da mesa de trabalho para uma outra dimensão. O peso do cotidiano, dos problemas, dos prazos, tudo era facilmente esquecido. E se alguém precisasse nos lembrar disso era só ligar no ramal do Josi.

O Varanda, foi responsável pela dose certa de irresponsabilidade dos seus frequentadores, foi testemunha de amores inconfessáveis ou não, taí a Silmara e o Fabinho casados até hoje. Era Também um lugar de lágrimas disfarçadas, xingamentos, risadas arrastadas.

Um dia resolveram que a PublicisNorton teria que sair do centro e ir para um lugar mais sofisticado. Fomos parar no WTC, na Berrine.

A festa de encerramento, foi um "amigo da onça" e o presente que mais rolou foi penis de chocolates, comprados no PontoG ao lado.

Um presente emblemático que queria dizer que a gente iria de alguma maneira se fuder.Um dia também decidiram que o nome PublicisNorton não mais existiria, mudando para Publicis Brasil.
Sim. Foi o fim do varanda e o fim da própria Norton.

A gente costumava perguntar brincando: Existe vida após a Norton? A resposta é não. Mas taí o Josi, vivinho com a mesma simpatia e sorriso nove anos após o Varanda.

Reencontro na Re:sources com o Josivaldo

sexta-feira, 19 de junho de 2009



Semana passada eu disse a vocês que não queria mais ficar sozinha? Sim eu disse. Mas tá difícil de arrumar namorado.Acho que é por causa dessa crise mundial. No final de semana eu fui na parada gay, achei que lá eu iria encontrar um namorado.Afinal, estavam esperando mais de três milhões de pessoas e eu pensei, no meio de três milhões é impossivel não ter um homem carente.

Nem a pau Juvenal. Três milhões e meio de bibas. Veio biba até de marte. Todos os hotéis estavam lotados. Vieram pra dormir? Três milhões e meio. E ainda dizem que são minoria.Fora as que ficaram no armário. Fora as pobres que não tinham grana pra vir pra sampa. E fora as que viraram heteras e foram pra passeata dos crentes.Aliás, este ano não teve a marcha da Igreja Renascer.Foi adiada para novembro.
E adivinha quem tava lá? De novo? Dona Marta Teresa Smith de Vasconcelos Suplicy Favre y Bourbon, aliás a dona Marta separou daquele argentino e voltou a usar seu nome de solteira: Marta Suplicy. Você entendeu? Eu também não. Mas eu adoro a dona Marta.Que chique! Esta mulher arrasa quarteirões inteiros. Linda, maravilhosa. E ela estava usando um jeans dois numeros a menos.

Deus é justo, mas o jeans da dona Marta é justíssimo. Mas ela merece ser a madrinha da parada. Porque apoiou a primeira parada, ela que entrou com o projeto da união civil. Meu patrão costuma dizer que “toda biba tem que votar na dona Marta.Viado que não vota nela é bicha mau agradecida”. E ela foi aplaudidissíma.
E também estavam lá o prefeito kassab, um homem solteiro e feliz, segundo ele.E também o governador do estado, José Serra, o vampiro brasileiro.Serra disse que apoia a união civli entre os gays. Ele tá certo. Tem que apoiar mesmo, pois a união de pessoas de sexo diferentes não dá certo mesmo. Então é melhor apoiar a união de pessoas do mesmo sexo.

Foi uma festa espetacular, teve umas briguinhas, uns assaltinhos aqui outros ali, mas no final valeu a festa.É como diz o moço da Folha de S.Paulo: “Se Deus fosse gay, o mundo seria mais arrumadinho”.

Hum, e você sabe que seu namorado é gay quando ele passa mais de três horas na academia. Reconhece que você ta de bolsa Gucci e sapato Prada . E quando abre a boca fala três frases: “Essa festa ta uó e o dj é o errooo”; “Essa calça que comprei é tudoo” e “andei horrores no shopping”.
Ai, meus sais! Teve uma coisa que me deixou deprimida. Plasma. Um monte de garotas lindas beijando outras garotas lindas e um monte de homens lindos beijando outros lindos. E eu...bem nem conto.

Fui agarrada por uma loira de boné, dois metros de altura. Ela fingiu que ia me cumprimentar, agarrou meus peitinhos e me lascou um beijo na boca. Credo...eu gritei: "Sapatão". E ela respondeu: "Sim e daí?". Fiquei plasma. Ano que vem eu não venho.
O jeito agora é esperar a Marcha pra Jesus, que vai ser em novembro. Quem sabe lá eu arranje um namorado. Por que na parada gay, só me lasquei. Eu tô plasma!

Maria Elite, é a diarista do amigão e escreve aqui neste blog todas as sextas. Solteiríssima está desesperada atrás de um namorado. Ela disse namorado, não confudir. Todas as notícias aqui são verdadeiras e este texto é quase o mesmo do ano passado. A única falsa aqui é ela mesmo.A montagem de hoje foi feita pela Suzanna.

quinta-feira, 18 de junho de 2009



"O MAIOR CASTIGO PARA AQUELES QUE NÃO SE INTERESSAM POR POLÍTICA É QUE SERÃO GOVERNADOS PELOS QUE SE INTERESSAM" (Arnold Toynbee)
Ideli X Sarney

quarta-feira, 17 de junho de 2009


A historinha abaixo eu li na coluna da jornalista Magda Ferrentini, do Jornal Propaganda e Marketing. Sendo hoje o dia da feijuca do amigão e sendo a história imperdível, não tive nenhum pudor em copiar e colar aqui.Ficam pois os créditos e vamos a história como disse imperdível.


“Joãozinho aos 70 anos, residindo em uma pequena e pacata cidade, abordou o padre na rua e segredou”:
- Padre, eu nunca me confessei, mas, como estou ficando velho, acho que chegou a hora! Só que eu gostaria de me confessar com um anjo...Tem jeito?
- Mas meu filho, com um anjo? Isso é meio difícil! Olha, se minha presença o inibe, eu posso dar pores ao sacristão para ouvir sua confissão!
- Não, seu padre, eu tenho dois pecados gravíssimos os quais só posso confessar a um anjo, tenho certeza!
- Bem, então no domingo vá a igreja e assista à missa. Após a missa, eu providenciarei um anjo para ouvir suas confissões.
Joãozinho eufórico exultou:
-Muito obrigado, seu padre, o senhor não pode nem imaginar a paz que o senhor está me devolvendo.
E assim... Joãozinho, aos 70 anos, aliviado por ter resolvido seu problema e o padre preocupado com o problema que acabar de arranjar. Chegando à igreja, o padre chamou o sacristão, contou-lhe a história e começaram a traçar o plano para levar um anjo ao confessionário.
- Faremos o seguinte – disse o padre – vou vesti-lo de anjo e você se esconde no ato do mezanino onde fica o coral. Depois da missa eu amarro uma corda em volta do seu corpo vou descendo sobre o confessionário e conforme for descendo você abana as asas. O que acha?
- Perfeito, disse o sacristão. O seu Joãozinho já está velho, enxerga pouco, não vai notar nada!

Domingo, Joãozinho assistiu à missa inteira, aguardou que todos saíssem da igreja e que o sacristão fechasse a porta e saísse. Levantou-se do banco e se encaminhou para o confessionário.
Passaram-se alguns minutos e lá veio o sacristão abanando as asas sobre o confessionário.
Joãozinho se ajoelhou. E o “anjo”, com voz angelical, perguntou:
- Meu filho, por que você não quis se confessar com o padre nem com o sacristão?
- Sabe o que é seu padre, é que eu estou dormindo com a mãe do padre e a mulher do sacristão. Entendeu agora porque eu não queria me confessar com eles?
- Entendi, meu filho, disse o “anjo”. Então eu lhe dou como penitência, 200 ave Maria pela mãe do padre e 2.000 pai nossos pela mulher do sacristão. Está bem assim, meu filho?
- Justíssimo, seu anjo, respondeu o Joãozinho,
- Por isso que eu queria me confessar com quem entende. 2.000 pai nossos pela mulher do sacristão contra 200 ave Maria pela mãe do padre é mais que justo, pois a mulher do sacristão é 10 vezes mais gostosa que a mãe do padre. Muito obrigado seu anjo, já vou agora mesmo, lá pro altar, pagar a penitência!

O “anjo” aguardou um instante, fez um sinal para o padre que o puxou de volta para mezanino e, curioso, indagou:
- E aí, meu filho, como foi a experiência?
- Pois foi horrível, sofrível. Desci como um anjo pelas mãos de um padre e acabei subindo como um corno pelas mãos de um filho da p...”

Beijão do amigão e bom dia, mas bom dia mesmo!

terça-feira, 16 de junho de 2009


A notícia da venda da rede de lojas Ponto Frio para o Grupo Pão de Açúcar me trouxe uma sensação de perda. Nem sei porque. Mas foi assim, meio romantico que sou, que fiquei triste com o provável desaparecimento do Ponto Frio Bonzão, assim como fiquei decepcionado quando vi a Perdigão comprando a Sadia. E tantas outras fusões.
Parece que Grupo Pão de Açucar, vai manter a marca Ponto Frio, assim como fêz com as Casas Sendas. O GPA passa ser a maior rede varejista do Brasil com 1.265 lojas e cerca de 80 mil funcionários.E aqui eu fico lembrando da Ultralar, Brastel, Casas da Banha, Disco,Mesbla...A Loja da Mesbla no Largo do Passeio era um ponto de referência cujo relógio a gente via lá da Praia do Flamengo.Desapareceu.Virou pó.E o Mappin em São Paulo?

Quando moleque existia no Rio uma rede de lojas chamada “A impecável – Maré Mansa”. Loja de roupas. A matriz era lá na Av. Marechal Floriano no centro e centenas de filiais pela cidade.E o crediário era aprovado na hora sem frescuras, era só apresentar a carteira de trabalho.Lembro do meu pai comprando roupas na Impecável. E a gente procurava a Impecável principalmente pelo programa que ela patrocinava no rádio.



O programa rolava na Super Radio Tupi e logo em seguida foi transferido para a Rádio Globo, era A Turma da Maré Mansa.Todas as noites quando não havia futebol. E lá em casa não tinha TV e a gente se divertia ao pé do rádio.Todas as noites a partir das nove, era só ligar que tocava:

A turma da maré mansa,
Chegou para apresentar,
O fino do humor, a graça sadia, que sempre faz rir, que traz alegria.
Se você quer transformar,
A tempestade em bonança,
Tem que sabar gargalhar
E sempre aproveitar...
A turma da maré mansa...”

E seguia um desfile de comediantes que esquentavam nossas noites com piadas leves, sadias e acima de tudo engraçadas. Talvez por isso lá em casa nós temos até hoje a mania de contar piadas e dar risadas. Provavelmente uma influência grande da Turma da maré mansa.

Mas isto foi há muito tempo. E nem sei se ainda existe a Impecável - Maré Mansa.Terá se fundido por aí?

segunda-feira, 15 de junho de 2009


E eu tomo o cafézinho hoje com a Rô, a vovó mais querida da blogosfera. É um cafezinho mais que gostosos pois posso compartilhar as coisas que acredito e ainda posso orar com a vovó.




"O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o rosto e te dê a paz."(num.6:24)


Bom dia Rô, mas bom dia mesmo.
E parabéns pelo aniversário!

sábado, 13 de junho de 2009

Ela me chamou no MSN e perguntei como estavam os preparativos para a festa de aniversário. Contou em detalhes como seria, contou dos seus pais que viajaram no dia dos namorados mas que chegariam a tempo para a festinha e contou também dos amigos que convidou e aproveitou para cobrar:
- Eu queria muito que você estivesse aqui.
- Mas eu estarei aí.

Disse isto, pois lembrei de uma cena de “Forrest Gump”, quando Forrest, comenta com Jenny, sobre sua corrida e narrava os lugares lindos por onde passou, das vezes que viu o sol nascer, quando chovia e logo depois um imenso arco-iris aparecia no céu. “Eu queria ter estado lá com você”, disse Jenny extasiada com o relato da corrida. “Mas você estava lá o tempo todo”.
A Suzanna, é uma amiga cuja lembrança eu guardo e sei de cor.Entrou de um jeito meio esquisito na minha vida e entrou pra ficar e desde então tem estado presente em vários momentos. Seja através do msn, seja enviando torpedos desejando boa noite, através de e-mails imensos que leio e respondo com um grande prazer.Cada vez que penso na Su, eu lembro da Jenny do Forrest.

Foi quando estava em Florianópolis e vi aqueles barquinhos ancorados que pensei nela e desejei que ela estivesse comigo. E ela esteve. O pensamento parece uma coisa tola, mas como é você chega sempre que começo a pensar?

Uma das lições que Forrest aprendeu com Jenny, desde pequeno é que ele deveria correr,“corra Forrest, corra", "se estiver em perigo, não tente ser corajoso, só corra". Forrest ouvia e acreditava em tudo que Jenny falava e transformava os conselhos em coisas concretas. E sempre que alguém pedia pra ele correr, ele corria, e muito.


Jenny foi a única pessoa que aceitou Forrest sem fazer perguntas, no entanto, é com ela que Gump vai se apaixonando no decorrer da história.

Em um ataque surpresa dos Vietnamitas, Bubba, falou para ele correr, ele saiu correndo e depois disse “Eu corri e corri como Jenny mandou”.


Um dia sem nenhum motivo decidiu dar uma corridinha. Correu até o fim da estrada, e quando chegou lá resolveu atravessar a cidade, e quando chegou lá resolveu atravessar o condado de Greenbow, depois atravessou o Estado do Alabama correndo sem nenhum motivo,“quando cheguei ao oceano resolvi voltar e continuar até chegar ao outro oceano. Já que tinha ido tão longe, resolvi dar meia volta e continuar correndo. Quando corria eu só pensava na Jenny.E quanto mais eu pensava mas tinha vontade de correr”.


“Na verdade eu corria para chegar onde estava indo. Nunca achei que isto iria me levar a algum lugar”.


Ele correu durante três anos, dois meses, 14 dias e 16 horas, dá para acreditar? E só pensava na Jenny.


Também não sei por que estou correndo. Mas em cada momento, cada virada eu to pensando em você.Você escreve e diz coisas de um jeito que até eu posso entender.
Por isso Jenny, digo Suzanna, na hora dos parabéns eu vou estar aí com você, pois você está sempre aqui comigo.

Foto tirada em fevereiro, em Florianópolis, pensando em você.

sexta-feira, 12 de junho de 2009



Sozinha no dia dos namorados? Nem a pau Juvenal. E não adianta vocês me falarem que é uma data comercial, que não tem nada a ver, e isso e aquilo outro.Eu amo o dia dos namorados. Mas estou sozinha. E eu Odeio ficar só.

Só Existe três coisas que eu faço sozinha. A primeira é a que to fazendo agora, escrevendo. O patrão diz que escrever é um ato solitário, pois a gente pode escrever cantando ou ouvindo música e ler em voz alta o que se está escrevendo.

A segunda é arrumar a casa. Quantas ideias passam pela minha cabeça quando estou varrendo, ou lavando roupa, o radinho ligado na Tupi FM onde só toca o Leozinho. Até o patrão já comentou que parece que o Leonardo é sócio dessa rádio pois ele canta de cinco em cinco minutos. Eu acho lindo e fico dançando sozinha com a vassoura.



A terceira, esqueci. Duas coisas pra se fazer sozinha, já estão bom demais. Não há mais nenhuma outra coisa boa pra se fazer sozinha.


Comer camarão? Um prato de camarão é muito para se comer sozinho. Eu amo tanto camarão e se o próprio prato vem acompanhado de arroz e alguma outro ingrediente porque euzinha deveria comê-lo desacompanhada? O bom é jantar juntinho, lamber o dedos um do outro.

Dormir? É muito melhor dormir de conchinha, enroscados, juntinho se esquentando, nariz na nuca.Contar historinhas um pro outro debaixo do cobertor. Dormir sozinha? Nunca.

Dançar sozinha? Nunca. No forró é sempre bom encontrar alguém e ficar ali se exibindo e jogando os cabelos e ele ali ó todo orgulhoso de mim. O bom é o corpo colado adentrando um no outro bem juntinho sentindo a respiração. Até nas festas juninas tem que ter um par pra dançar. Tem que dançar juntinho sempre.

Assistir filme sozinha? Nunca. Sou daquelas que está sempre sussurando: "Por que que eles mataram aquele cara? Não entendo. Pensei que ele era amigo deles. Não era? Ah, se não era então foi bom matar ele". E se eu me levantar pra tomar um chazinho durante o filme quem vai me contar a parte que eu perdi?

E na hora de tomar banho? É bem melhor tomar banho a dois, ajuda na hora de ensaboar as costas.Fazer carinho e se amar ali mesmo debaixo d´água quente. E ser levada no colo, enrolada na toalha e ser jogada na cama.

Ah, estão falando que dia dos namorados é uma data comercial? Pois que seja, se no ano que vem eu estiver namorando eu vou comprar a loja inteira da Colombo só pra presentear o meu amado.

Sozinha nunca mais.

Acabei de lembrar de uma coisa que é legal fazer sozinha. Cortar a unha do pé. É, pode ser, concordo, mas aí eu corto em um minuto e pronto. Vem pra cá.

É por isso que já marquei hora no salão, hoje é dia de fazer escovinha, fazer as mãos e me mandar pro risca-faca. Eu vou beijar muito, que eu não sou sozinha coisa nenhuma.


Maria Elite é a diarista do amigão e escreve todas as sextas aqui no blog do patrão. Escreve sozinha e lê os textos em voz alta. O texto de hoje é levemente-chupado-baseado em um artigo que ela encontrou na net, de autoria de Rosana Caiado. Todas as notícias aqui são verdadeiras, a única falsa, aqui, é ela mesma.


quinta-feira, 11 de junho de 2009



A Publicis Brasil e a Leo Burnet, pertencem ao Publicis Groupe. Neste grupo há uma empresa chamada Re:Sources Brasil, que cuida de toda parte administrativa das duas agencias e principalmente do "Pos Vendas", de todas as contas publicitárias. A minha função hoje está bem mais pra administrativa do que propriamente de Midia, que é minha formação original. Eu gosto disso, eu adoro cuidar do pos bye da Fiat. São agora nove anos de relacionamento com este cliente.

Embora seja funcionário contratado da Leo Burnett, estou trabalhando no Re:Sources.
Uma das características do Publicis é que as paredes são sempre brancas, sem nenhum quadro, todas lisas e imensamente brancas com pequenos detalhes vermelhos e a marca do grupo.



A cor branca nas paredes é natural, todas as agências adotam esta cor. Assim como é bem normal outras empresas e agencias de outros grupos, além de consultorios e lojas adotarem a cor branca nas paredes.É bem normal isto, mas o
engraçado disso é que quando você está em qualquer empresa do Publicis Groupe, a primeira coisa que repara é que as paredes são brancas, porque será? Eu acho que é porque as paredes são brancas mesmo. Sei lá...

O Paulo Biolcatt, que foi diretor administrativo da Publicis e era meu amigo naquela época (1997-2001) hoje é o presidente da Re:Sources no Brasil e CEO para a América Latina. Foi o Paulo que me entrevistou e contratou. Foi a primeira vez que fui contratado por um amigo numa entrevista que mais pareceu um “varandão da saudade”.E foi a primeira vez que fui entrevistado por um presidente e CEO (seja lá o que seja isto) eu acho que é muito.

E foi neste clima que cheguei.

Os amigos da Giovanni que vieram comigo, a Carla Recúpero e José Alexandre, estão lá dentro da Leo (detalhe nisso é que a Carlinha é diretora da conta desde a Ogilvy e antes disso trabalhamos juntos na conta da Volkswagem, na AlmapBBDO no período de 87 a 90) ainda não os vi mas me mandaram e-mails assim que cheguei dando-me as boas vindas.


O pessoal da Fiat também saudou minha chegada.
A minha mesa... bem a mesa...

Imagine quando você sai de férias e na volta encontra sua mesa lotada de serviço, como se ninguém tivesse tocado em nada e deixado tudo pra você resolver na volta, foi esta a sensação que tive.

E foi com uma alegria imensa que concluí a primeira campanha da linha de varejo da Fiat pela Leo Burnett. Terminei ontem. Cansado, dormi cedo e acordei às dez da manhã.


A Re: Sources deve ter uns 100 funcionários no máximo. Destes eu já trabalhei com uns oitenta e fui muito bem recebido por eles. Sem contar o Flavinho com quem já trabalhei três vezes e é meu parceiro quando estamos tentando arrumar emprego pra alguém e um dia eu conto pra vocês, como foi que eu e o Flávio já conseguimos empregos para uma duzentas pessoas no meio publicitário. E a Soninha, que conheci no AC Nielsen em 1986 e estamos trabalhando juntos pela segunda vez.


O mundo é pequeno e gira numa velocidade espantosa que faz com que nos encontremos sempre em cada virada. Por isso é bom cultivar amigos e nunca fazer inimigos, pois énuma destas voltas que a gente se encontra e dependendo do que você fêz na corrida os cumprimentos são festivos com abraços saudosos e efusivos.


A vida é assim e é grande demais.


- Esqueci desse seu defeito, você é Palmeirense né?

- Pois é Paulo...



Bom feriado, mas bom feriado mesmo!

quarta-feira, 10 de junho de 2009



Conselho do dia


Quando seu filho perguntar por

que ele tem que estudar, estudar,

estudar, trabalhar e ganhar muito

dinheiro... Mostre essa foto a ele.



terça-feira, 9 de junho de 2009


Numa dessas madrugadas insones, fuçando o orkut de um garota muito querida,vejo no seu perfil a histórinha da gazela que corre todas as manhãs, tão logo acorda.

"Toda manhã,na África,uma gazela acorda.Ela deve correr mais rápido do que o mais rápido leão ou será morta.
Toda manhã um leão acorda.Ele sabe que deve correr atrás da gazela mais vagarosa ou morrerá de fome..."


Alguma coisa nesta história combina tanto com a garota. Ou toda a história. É assim que sempre que lembro dela vejo-a correndo. Correndo.
Todos os problemas de saúde, falta de dinheiro e um monte de outros tipos de confusões ela sempre tirou de letra. E a pressa em resolver era tanta que nunca a vi reclamando.

Ela sabe que depois de um certo tempo não há mais lugar para traumas e lamentações.É por isso que ela corre sem parar.Deve ser por isso que sempre que a encontro ela está celebrando mais uma vitória.É por isso que sempre que me escreve sempre tem uma novidade, como da última vez:" Eu tenho uma coisa inacreditável pra te contar,aconteceu um milagre...os médicos estão impressionados e vão publicar o caso em uma revista científica internacional..."


"... Não importa se você é o leão ou a gazela. Quando o sol nascer, é melhor você está correndo!"



 
^

Powered by Bloggerblogger addicted por UsuárioCompulsivo
original Washed Denim por Darren Delaye
Creative Commons License

____