sexta-feira, 10 de abril de 2009


Sofá especial de Páscoa. Com Everton Vidal, do blog Re-Novidade


"O Sábado era para os hebreus o dia separado para o descanso. Não era qualquer descanso, como as sestas que tomamos depois de almoçar, mas um descanso existencial, um dia para a reflexão e devoção à vida e ao Ser que a criou.
Também tinham muitas festas, todas com importantes significados, a Páscoa era uma delas. Diversas culturas nômades antigas comemoravam a passagem do inverno para a primavera. Eram vários dias de festas, cuja primeira noite de lua cheia após o início da primavera era a principal. Foi exatamente nesta noite que ocorreu a Páscoa hebraica relatada no livro de Êxodo.

Portanto essa festa tinha um sabor especial para os hebreus, era o dia em que comemoravam a vida (simbolizada pela primavera) e principalmente a libertação da opressão egípcia. Acontece que durante a história dos hebreus muito se perdeu da profundidade desses dias-símbolos.
Guardar o sábado havia se tornado fim em si mesmo, sendo usado até para escravizar o ser humano. Quanto à Páscoa, fica evidente ao lermos os evangelhos que o povo, oprimido pela dominação romana, esperava ansiosamente por uma nova libertação. O gosto das ervas amargas – que comiam como memorial da escravidão um dia terminada – há muito havia se tornado o próprio sabor da existência, debaixo de seguidas opressões.

Alguns, sem dúvida, já haviam perdido a esperança. Rubem Alves escreveu que “é preciso beber o amargo da vida para se ter noção da doçura, ausente, distante”... Os judeus entendiam isso.

Fernando Pessoa divino-humana-mente inspirado escreveu um poema que contém a seguinte frase, “quem tem alma não tem calma”. Aqui e acolá lembro-me dela, numa das últimas vezes eu estava dentro de um micro-ônibus, vendo uma mãe na beira da rua repartir uma laranja com um par de crianças sujinhas. Cenas iguais ou piores que esta são normais.
Já estamos acostumados... Isso é o mundo, isso é o capitalismo, isso é a “vida”. Somos todos escravos de uma situação que não nos agrada – pelo menos aqueles que têm alma. Diante da fome da África, da miséria da Índia, das injustiças da America Latina e do sofrimento de qualquer criança do mundo... quem tem calma não tem alma.
Quando Cristo esteve por aqui preocupou-se com as mesmas situações e tratou de renovar os significados. Ensinou com palavras e ações que o Sábado é na verdade uma forma de encarar o próprio agora da existência – o hoje. Sim, Cristo nos mostrou que todos os dias são-devem-ser sábados de paz e misericórdia no coração. Essa paz é um descanso colhido pelo ser em todos os momentos.

Todavia, não é indiferença e morbidez, não é sossego, isso – tal qual O Rappa – é “a paz que eu não quero” pois paz sem atividade não é paz.Cristo re-novou o significado da Páscoa com a sua própria Vida. Transformou-a na festa da Esperança, e isso nos seus momentos de maiores agonias. Aliás essa sempre foi a atitude do Cristo, enfrentou todas as agonias com lucidez, vivacidade e esperança, mesmo quando foi traído e crucificado.
Os discípulos vivenciavam às escondidadas o medo e a perplexidade dos fatos, assim como nós fazemos em relação a muitos dos nosso problemas cotidianos, incluindo as balas perdidas das metrópoles. E mesmo quando receberam a boa notícia da ressurreição ficaram atônitos e incrédulos, ora é a mesma reação que temos frente as boas notícias dos jornais.

Mas a Esperança adocica a vida, sem ela, à existência só resta o gosto das ervas amargas. Páscoa é a festa da Esperança, não do chocolate. Não há nada de errado em alimento algum, inclusive os chocolates, se ingeridos com moderação. O problema acontece quando as coisas começam a ser fins em si mesmas
Que o tempo da Páscoa seja santificado (separado) como tempo de refletir sobre o mundo, e que dessa reflexão nasça um mundo novo, onde ao menos a vida seja vista como um dom supremo. que neste sentido todos os dias sejam dias de Páscoa. Dia de esperança. A Vida venceu e por isso vivos somos! "

Para ler outros textos do Everton, clique AQUI.


Feliz Páscoa!

6 comentários. Clique e deixe o seu!!:

Du disse...

O sofá de Páscoa não poderia ter outro convidado que não fosse o Vidal! A cada dia que passa, quanto mais eu leio o que esse cara escreve, mais admiro! Sou fã incondicional! \o/
Pena que estas datas como Natal, Páscoa e outras, se resumam ao consumo, as pessoas esquecem o verdadeiro significado de tudo. Ontem não dava pra caminhar no centro da cidade, uma verdadeira loucura de consumo - peixes e chocolates. Acho isto triste... enfim!

Belo texto, como sempre!

Beijos, Amigão!
Beijos, Vidal!

Que todos tenham um ótimo feriado, iluminado de amor e paz!

Éverton Vidal disse...

Oi Amigão! Oi Du!
Um abraço de coração!
Inté!

Suzi disse...

Gosto muito quando leio que a "Páscoa é a festa da Esperança".
Gosto mesmo!

NANA disse...

Meu Deus!
Que texto...

Vidal, aprendi muito nesse post sobre a origem da Páscoa, e da forma como esta data foi re-novada com Cristo.

Que forma brilhante de conduzir o texto, indo e voltando no tempo. Com belos exemplos da nossa realidade(atual).

Que saudade de ler um texto seu, mas com meu tempo justinho... =(

Beijão no Vidal
Beijão no Amigão

Éverton Vidal disse...

Outro bj pra vc Nana!

Amigao disse...

Obrigado amigão pela mensagem de esperança.

Abração pra você1

Assinar Feed dos Comentários

Postar um comentário

Deixe o Amigão feliz, comente isto!



 
^

Powered by Bloggerblogger addicted por UsuárioCompulsivo
original Washed Denim por Darren Delaye
Creative Commons License

____